quinta-feira, março 02, 2017

RESUMO DO MÊS DE FEVEREIRO

Participação no Campeonato Paranaense Absoluto e 1.ª etapa do Circuito Piraiense de Xadrez.

No mês de fevereiro tivemos duas competições com participação de enxadristas locais .

CAMPEONATO PARANAENSE ABSOLUTO

Aconteceu em Curitiba, de 01 a 05 de fevereiro. O grande campeão da competição foi o GM Alexadr Fier. Destaque também para Wiiliam Cruz, de São José dos Pinhais, que conquistou o título de MF (Mestre Fide).
Guilherme Schmidt representou Piraí do Sul na competição e foi o melhor Sub 16, conquistando vaga para o Festival Paranaense de Xadrez (Menores e Sub 20) que acontecerá de 24 a 26 de março, em Piraí do Sul.

Confira a classificação final

XIV AMIGOS DO CLUBE DE XADREZ RELÂMPAGO

E 2017 começou como terminou o ano de 2016. Com Antônio Emílio Shibata tendo uma grande performance.
Com 9.0 / 9.0 Shibata conquistou mais um título local, e de quebra, assumiu o posto de número 1 do Ranking Piraiense.
O sistema de disputa foi o suíço em 09 rodadas, com tempo de reflexão de 3 min. + 2 seg. O evento aconteceu no sábado (26).
Destaque também para a excelente participação da enxadrista Jéssica Ribeiro, vencendo oponentes, em tese mais fortes, tendo uma variação de +117 pontos de rating local.

Confira o resultado final.
Ranking Piraiense após a primeira etapa do Circuito Piraiense. 

O próximo evento envolvendo enxadristas locais será a etapa classificatória para o Festival Paranaense de Xadrez (Menores e Sub 20), que acontecerá neste sábado (04).

Confira o folder da competição.

segunda-feira, fevereiro 27, 2017

10 PERGUNTAS PARA O GM EVERALDO MATSUURA - BICAMPEÃO BRASILEIRO

O blog Xadrez Piraí inicia o seu ciclo de entrevistas de 2017 com o bicampeão brasileiro de xadrez, o Grande Mestre paranaense Everaldo Matsuura. 

Nesta entrevista o Mestre nos conta um pouco sobre o seu início de carreira, seus momentos marcantes e suas expectativas para o futuro. 

Everaldo Matsuura é um enxadrista brasileiro. Nascido em Maringá, no Paraná, em 1º de outubro de 1970, Matsuura se tornou Mestre Internacional (MI) aos 26 anos. Iniciou-se no jogo de xadrez graças ao seu pai e seus dois irmãos (entre eles, o MF Frederico Matsuura). Já foi Campeão Paulista (1998), Paranaense (2002), Catarinense (2003) e Brasileiro (1991 e 2016), tendo conquistado o primeiro campeonato nacional quando tinha 21 anos. Venceu, ainda, o Campeonato Panamericano (1993) e é cinco vezes Campeão Brasileiro de Jovens.
Em 2001 e 2003, Matsuura também foi vice-campeão brasileiro de xadrez, além de representar o Brasil em Olimpíadas de Xadrez.
Entre suas mais expressivas conquistas, destacam-se ainda o 4º lugar no Mundial de Cadetes, disputado em Rio Gallegos, Argentina (1986), duas participações em Olimpíadas de Xadrez, representando o Brasil, e a classificação inédita para a Copa do Mundo da FIDE, com o 6º lugar no IV Torneio Continental de Cali, Colômbia (2007).
Em 7 de dezembro de 2010, conseguiu a sua norma definitiva de Grande Mestre. O título de GM é concedido a jogadores que possuem três normas e um rating ELO acima de 2500.

XP: Qual a sensação de conquistar novamente o título mais importante do xadrez brasileiro?
R: Foi realmente uma grande satisfação ter vencido novamente o Campeonato Brasileiro Absoluto, após um intervalo tão longo (a outra vez foi em 1991, 26 anos atrás). Principalmente por ter jogado um bom xadrez e pelo torneio apresentar  jogadores tão competitivos e fortes, como os GMs Fier, Krikor e El Debs e também as novas estrelas ascendentes MI Renato Quintiliano e Vitor Carneiro (que fez uma norma de MI no torneio). Claro que todos merecem destaque , pois de alguma forma ou de outra , passaram por etapas classificatórias. É claro também que alguns grandes nomes do xadrez brasileiro não estavam presentes, mas isso certamente não invalida o que foi dito acima.

XP: Como foi sua preparação para o campeonato brasileiro?
R: Previamente ao torneio não fiz nenhuma preparação específica. Um pouco antes tinha jogado o Aberto do Brasil Terra Viva em Brasília e o Floripa Open, então preferi poupar as energias. Na verdade não tenho o costume de me preparar de antemão para algum torneio específico. Sempre quando estudo em casa procuro assimilar as ideias, mas não fico pensando muito em qual momento vou aproveitá-las. Um pouco antes das partidas penso se posso contra determinado jogador aproveitar alguma coisa que estudei e que me lembro, mas às vezes esse processo só se dá depois que a partida já começou. Agora, o que fiz durante o torneio foi ver algumas partidas de alguns jogadores que não conhecia bem, ou que a muito não via jogar. No mais procurei fazer a minha corrida matinal no Aterro do Flamengo, que tem uma paisagem muito bonita, e nas tardes livres fui ao cinema e também ao Museu do Amanhã. Ou seja, no geral procurei deixar a mente descansada para as partidas.

XP: Qual foi o momento mais marcante de sua carreira?
R: Difícil dizer qual foi o mais marcante. Poderia citar alguns: quando joguei minha primeira partida de torneio (foi nos Jogos da Primavera em Ponta Grossa/PR , no começo dos anos 80; era um torneio de escolas por equipes e essa partida terminou empatada por afogamento); quando joguei o Mundial sub-16 na Argentina (em 1986, terminei em 4.º); primeira final de Brasileiro (São Paulo/1988 , 3.º lugar); Campeão Brasileiro Absoluto pela primeira vez (Bebedouro/SP , 1991); primeira norma de MI (Curitiba/1993);  título de MI (1995); primeira norma de GM Guarapuava/PR, 2006); classificação para a Copa do Mundo (Continental de Cali, 2007); título de GM (Brasileiro Absoluto-Americana/ 2010) e por último agora nesse Brasileiro.

XP: Quando não está treinando ou participando de eventos, o que faz nas suas horas vagas?
R: Meus principais hobbies são: correr no parque, ir ao cinema e ler um bom livro.

XP: O que você pensa sobre o formato do Campeonato Mundial?
R: Particularmente eu preferiria um torneio com 8 jogadores em duplo turno , como aconteceu em 2005 (ganho pelo Topalov) e 2007 (ganho pelo Anand). Seria como se fosse o torneio de Candidatos atual, só que valendo o título direto (seriam 7 classificados mais o Carlsen que é o atual campeão ). É claro que o formato de matches tem o seu charme e no passado pudemos ver encontros épicos, como por exemplo: Alekhine-Capablanca (pela genialidade e diferença de estilos), Fischer-Spassky (pelo contexto histórico) e mais recentemente Kasparov-Karpov  (pela qualidade técnica e pela rivalidade). Mas acho que num torneio um jogador tem que demonstrar mais versatilidade, pois tem que enfrentar estilos diferentes. Ou seja, tem que ter mais cartas na manga.  A meu ver o último grande match, aquele que apresentou mais partidas e ideias interessantes foi Anand-Kramnik em 2008. Nos últimos tempos vimos um xadrez empreendedor mais no Torneio de Candidatos do que no próprio Campeonato Mundial. Nesse último entre Carlsen e Karjakin o mais emocionante foi ver as duas defesas épicas do Karjakin nas partidas 3 e 4 (o que por si só já valeu o ingresso!). A questão é que num match os jogadores podem ter mais a abordagem de não perder, do que propriamente a de ganhar.

XP: Carlsen caminha a passos largos para ser o melhor de todos os tempos?
R: Bem, a resposta a essa pergunta vai depender muito dele mesmo. Na verdade eu acho que ainda está a uma grande distância do Kasparov, a quem considero o melhor da história. Nessa avaliação estou considerando brilhantismo nas partidas e ideias; contribuição para o desenvolvimento da teoria (não apenas das aberturas); distância em termos técnicos em relação aos outros jogadores e longevidade (ficou 20 anos como o melhor do mundo). Daqui a uns dez anos podemos voltar a discutir esse assunto, mas por enquanto ainda está fora de questão.

XP: Qual a sua expectativa para o Zonal 2.4?
R: Quanto a minha participação não tenho qualquer expectativa com relação a resultados. Espero apenas estar em boas condições para jogar boas partidas.

XP: No inicio de sua carreira, quais os jogadores em que você se inspirava?
R: No começo não tive nenhum, mas um pouco antes de me tornar mestre internacional estudei profundamente Botvinnik.  A base do meu pensamento posicional vem dele. Mas estudei outros campeões mundiais com atenção também: Kasparov (provavelmente o que mais me influenciou na parte da dinâmica), Karpov, Smyslov,  Alekhine, Tal, Anand e outros com menos profundidade. No Brasil o jogador com quem mais aprendi (vendo as partidas e enfrentando) foi o grande mestre Gilberto Milos.

XP: Quando resolveu tornar-se um jogador profissional?
R: Essa é uma pergunta difícil. Acho que eu apenas me tornei um profissional, não resolvi ser um. Nesse momento sou talvez mais um treinador profissional do que jogador profissional.


XP: Seu irmão, o MF Frederico Matsuura, também é um grande enxadrista. Vocês costumavam treinar juntos?

R: Na verdade tenho dois irmãos que fazem parte da história do xadrez paranaense (o meu pai também faz, em tempos passados foi presidente da Federação Paranaense de Xadrez), pois estão na galeria dos campeões paranaenses: o Horácio e o Frederico. O Horácio não está mais jogando (mas quem sabe  algum dia ele volte) e o Fredy é um mestre fide bastante ativo. Porém, curiosamente não costumávamos estudar juntos!

Partida analisada pelo GM Everaldo, que considera a sua partida favorita. 
Milos Jr, Gilberto (2594) x Matsuura, Everaldo (2500) – Defesa Siciliana [B33]

Paulista 2008 (5.1), 28.06.2008

[E.Matsuura]


Esta é uma das minhas partidas favoritas , talvez a mais favorita de todas. Certamente não é perfeita, mas nela consegui criar ideias de ataque que me deram grande satisfação. Outro detalhe é que consegui vencer um grande jogador,a quem tenho o maior respeito e que me venceu muitas vezes.


1.e4 c5 2.Cf3 Cc6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.Cc3 e5 6.Cdb5 d6 7.Bg5 a6 8.Ca3 b5 9.Cd5 Be7 10.Bxf6 Bxf6 11.c4 Bg5?! [Alguns meses antes dessa partida eu tinha jogado contra o mesmo adversário o lance: 11...b4 No entanto ,fui lentamente superado posicionalmente e por milagre escapei com um empate. Para a presente partida decidi dar um caráter mais dinâmico , ainda que à custa de um peão. O lance da partida já tinha sido jogado, e a referência que tinha era : Rodrigo Fontana - Kaiser Mafra.] 12.cxb5 Da5+ 13.Cc3 [13.b4!? Cxb4 14.Cc4 Cc2+ 15.Re2 Da4 16.Cdb6 Cd4+ 17.Rd3 (17.Dxd4?? Dc2+ A. Giaccio- E. Matsuura , São Paulo , 2006.) 17...Db4 e a posição é extremamente complicada.] 13...Cd4 14.Cc4 [No Floripa Open desse ano (2017) o Diogo Duarte jogou comigo: 14.Bd3 , e me venceu rapidamente.] 14...Dd8 15.bxa6 0–0 16.Bd3 f5 17.0–0 [17.exf5] 17...f4 18.f3 Bh4!? 19.Cd5 Txa6 20.Dd2 [20.b4] 20...Bg3! 21.b4 [21.hxg3 fxg3–+] 21...Ta7 22.Ca5 Dh4 23.h3 g5 24.Bc4 Rh8 25.Cb3 g4 26.fxg4 [26.Cxd4 gxh3 27.Cf5 (27.gxh3 Tg7) 27...Bxf5 28.exf5 hxg2 29.Dxg2 Tg7–+] 26...f3! 27.Ce3 [27.Cxd4 f2+ 28.Rh1 Bxg4 29.Cf5 Dxh3+! 30.gxh3 Bf3#] 27...Bf4 28.Cxd4 [28.Df2 Dxf2+ 29.Rxf2 Bxe3+ 30.Rxe3 Cc2+ 31.Rd2 (31.Rf2 fxg2+ 32.Rxg2 Txf1 33.Txf1 (33.Rxf1 Cxa1 34.Cxa1 Tc7 35.Bd5 Tc1+–+; 33.Bxf1 Cxa1 34.Cxa1 Txa2+–+) 33...Ce3+ 34.Rg1 Cxf1 (34...Cxc4 35.Tf8+) 35.Bxf1 Txa2µ) 31...Cxa1 32.Cxa1 fxg2 33.Txf8+ Rg7 34.Tf1 gxf1D 35.Bxf1 Bb7 36.Bd3 Txa2+ 37.Cc2 d5 38.exd5 Bxd5µ] 28...exd4 29.Dxd4+? [29.Cf5 Txf5 30.Dxd4+ Be5 31.Df2 (31.Dxa7 Dg3–+) 31...Df6 32.Tad1 fxg2 33.Dxg2 Tf4µ; 29.Txf3! dxe3 (29...Bxe3+ 30.Dxe3 dxe3 31.Txf8+ Rg7 32.Tg8+ Rf6 33.Txc8 Re5÷) 30.Db2+ Df6 31.Dxf6+ Txf6 32.Taf1 Tc7 33.Be2 Tcf7 34.g3 Be5 35.Txf6 Txf6 36.Txf6 Bxf6 37.Rg2÷] 29...Be5 30.Dxa7 [30.Dd2 Dg3 31.Txf3 Dh2+ 32.Rf2 Txf3+ 33.Rxf3 Df4+ 34.Re2 Bxa1–+] 30...f2+–+ 31.Txf2 [31.Rh1 Dg3] 31...Dxf2+ 32.Rh1 Dg3 0–1



O Blog Xadrez Piraí agradece a entrevista com o GM Everaldo Matsuura.

quinta-feira, fevereiro 02, 2017

CAMPEONATO PARANAENSE DE XADREZ FEMININO

Atleta de São José dos Pinhais vence o Paranaense de Xadrez que foi realizado em Piraí do Sul.

Três dias de jogos, seis rodadas, muito estudo entre as 34 competidoras e emocionantes e acirradas disputas nos tabuleiros foram a tônica do Campeonato Paranaense de Xadrez Feminino que foi realizado em Piraí do Sul entre os dias 28 e 30 de janeiro, no Rotary Club.
Numa das edições mais bem organizadas dos últimos anos, segundo as enxadristas, a atleta da cidade de São José dos Pinhais, Kim Garcia de Souza, sagrou-se campeã da competição com quatro vitórias e dois empates.

Confira a partida que deu o título a enxadrista de São José dos Pinhais:



Participaram do campeonato, que foi realizado no sistema suíço de competição, com tempo de reflexão de 60 minutos + 30 segundos de acréscimo por lance, enxadristas da cidade de Ponta Grossa, Siqueira Campos, Curitiba, São José dos Pinhais, Paranavaí, Campo Mourão e Piraí do Sul.

Estrutura
A estrutura da competição, que foi dirigida por Maurides Junior e que teve como árbitros Bolívar Ribeiro Gonzalez, de Curitiba, e Igor Dalcol Marcondes, de Piraí do Sul, foi bastante elogiada pelos competidores.
“Sem dúvida foi uma das melhores edições desse evento. Foi impecável! O local de jogos bem localizado e toda sua estrutura, a boa premiação, inclusive com premiação em dinheiro com valor de quase o dobro do ano passado, o alojamento também muito aconchegante, com bastante espaço, vários chuveiros, cozinha disponível e um vigia noturno para nossa segurança, além de todo o apoio da equipe do município. Tudo foi sensacional”, disse Taynara Leszczynski, atleta de São José dos Pinhais.
A promoção do evento foi da Federação de Xadrez do Paraná e contou com o patrocínio da Copel Telecom. 
O prefeito Márcio Flávio da Silva participou da solenidade de encerramento, oportunidade em que enfatizou que a cidade está de braços abertos para receber outros eventos esportivos dessa magnitude e que, se depender dos esforços da prefeitura, tudo que estiver ao seu alcance será feito para incentivar ainda mais a prática da modalidade.

Classificação por categoria:
F08
1. Antonella Mello Fassini (Clube de Capacitação de Xadrez de Ponta Grossa)

F10
1. Mitzi Vedan de Ramos (Clube de Capacitação de Xadrez de Ponta Grossa)
2. Maria Eduarda Beraldo Buiar (Clube de Capacitação de Xadrez de Ponta Grossa)
3. Maria Eduarda Nascimento Godoy (Piraí do Sul)
4. Ana Julia Lobo Nascimento  (Piraí do Sul)

F12
1. Thais Ferreira Monteiro de Carvalho
2. Camile Bastos Vaz Cassou (São José dos Pinhais)
3. Sophia Cadamuro de Moura (São José dos Pinhais)
4. Andressa Pontes (Piraí do Sul)

F14
1. Julia Cristine Ferreira (AXPG - Ponta Lagoa - Ponta Grossa)
2. Clara Machado Juliatto (São José dos Pinhais)
3. Ana Letícia Assakawa (Paranavaí)
4. Jhulia Vitória Felix (Clube de Capacitação de Xadrez de Ponta Grossa)

F16
1. Catarina Miranda (Siqueira Campos)
2. Fabiola Faccini Oliveira (Piraí do Sul)
3. Joana Lisboa (São José dos Pinhais)
4. Kamila Milena Xavier (Siqueira Campos)

F18
1. Diovana Ferreira dos Anjos (Curitiba)
2. Lara Carolina Malanowski (AXPG - Ponta Lagoa)
3. Karoline Campos Teixeira (Piraí do Sul).

Categoria Geral (que definiu a campeão paranaense)
1. Kim Garcia de Souza (São José dos Pinhais)
2. Tayra Tavares (Paranavaí)
3. Diovana Ferreira dos Anjos (Curitiba)
4. Najla Mohamad Taha (Campo Mourão)
5. Julia Cristine Ferreira (AXPG - Ponta Lagoa).

Para acompanhar a toda a classificação geral acesse aqui

Veja a matéria original no site da Prefeitura de Piraí do Sul
Texto: Extraído da Secretaria de Comunicação de Piraí do Sul (Pedro Dalcol Filho)
Fotos: Abílio Mainardes (Secretário de Esportes) e Maurides Júnior (Coordenador).

quarta-feira, janeiro 04, 2017

O GENIAL E GENIOSO MAGNUS CARLSEN

Sim, ele é genial! E sim, ele também é genioso!

Apesar de adjetivos parecidos, um define o talento, a grande capacidade intelectual e o outro o temperamento. Carlsen vem demonstrando nas competições que tem participado que realmente faz jus aos dois. 

No último mundial em que bateu o russo Sergey Karjakin, em Nova Iorque, após perder a partida, não quis ficar para a coletiva de imprensa, causando um certo desconforto. Nos mundiais de rápido e relâmpago, mais uma vez demonstrou que tem uma personalidade difícil. Alguns veem isso como falta de espírito esportivo, outros com sendo atitude antiética não condizente com a modalidade. Eu vejo isso como personalidade forte. Opiniões à parte, o que a grande maioria concorda é que Carlsen é um grande gênio dos tabuleiros, e porque não dizer, fora dele também. É um fenômeno de mídia, fazendo comerciais e participando de programas de tv. Desde de Fischer e Kasparov não se via tamanha divulgação de um campeão mundial de xadrez.

Não é unânime dizer que o jovem campeão está entre os três maiores enxadristas de todos os tempos. Na minha opinião está em segundo, atrás do Titã Kasparov e a frente de Bobby Fischer, que me corrijam se eu estiver errado, tinha um gênio ainda mais difícil do que Carlsen. O fato é que o jovem campeão tem mostrado que nos finais ele dá as cartas. Chega a ser surreal as saídas que ele encontra para vencer partidas, que mesmo comentaristas mais experimentados não haviam encontrado. 

Nos mundiais bateu duas vezes o indiano Vishy Anand e agora por último o russo Karjakin, com certa dificuldade, ou talvez estratégia de levar a final para onde ele é consideravelmente mais forte. Está liderando os três ratings da FIDE e em todas as competições tem conseguido êxito.
 
Listas são sempre polêmicas e cada um faz a sua, é como fazer uma lista dos melhores do futebol, embora a maioria coloque Pelé como o melhor de todos, a quem diga que Maradona foi melhor, atualmente já colocam Messi e até Cristiano Ronaldo a frente dele (o que é uma forçação de barra!). Mas enfim, eis minha lista dos maiores da história.

1. Garry Kasparov 



4. Mikhail Tal    







Claro, alguns nomes poderiam estar na lista, Reshevski, Kramnik, Anand, Smyslov, Keres, Korchnoi, etc. 
E você, qual a sua lista?

segunda-feira, dezembro 19, 2016

XIII COPA DOS CAMPEÕES

Com 100% de aproveitamento, Shibata confirma a ótima fase e vence a Copa dos Campeões. 

A última competição do calendário local foi a XIII Copa dos Campeões, onde os vencedores ao longo do ano de 2016 participam deste evento de confraternização. O evento foi realizado no domingo, 18.12, após o término do XXI Municipal.
O sistema de disputa foi o suíço em 10 rodadas com tempo de reflexão de 3 min. + 2 seg. 
Com uma bela atuação, 10.0 / 10.0, Antônio Emílio Shibata levou mais um título para casa. O vice campeonato foi conquistado por Douglas Rentz, com 9.0 / 10.0, seguido por Felipe Trupel, 8.0 / 10.0. 

SHIBATA CONQUISTA O BICAMPEONATO DO MUNICIPAL DE PIRAÍ DO SUL

Com uma reviravolta emocionante na última rodada, Antônio Shibata vence novamente!

Dias 17 e 18.12 aconteceu o XXI Municipal de Piraí do Sul, o evento mais tradicional da modalidade. 
O sistema de competição foi o suíço em seis rodadas com tempo de 15 min. + 10 seg. 
Christian Júnior Mainardes chegou na última rodada precisando apenas de um empate para sagrar-se campeão. O confronto contra Antônio Shibata foi tenso e com um jogo firme, Shibata acabou levando a melhor. Na mesa ao lado, Douglas Rentz Staron, também obteve êxito contra Beatriz Bartmeyer. Ao final, Shibata, Christian e Douglas terminaram a competição com 4,5. O suspense perdurou até a impressão do resultado final, onde Shibata, levou a melhor no segundo critério (milésimos medianos) e sagrou-se bicampeão do Municipal. 

Confira a classificação final

Acompanhe a partida que decidiu o título do XXI Municipal. 


quinta-feira, dezembro 01, 2016

E O REI NÃO PERDEU A MAJESTADE! CARLSEN MANTÉM O TÍTULO MUNDIAL.

Acabou! Depois de 16 partidas Carlsen impôs seu jogo nas partidas rápidas do desempate e mantém o título máximo do xadrez. 

Devo confessar que minha torcida sempre foi por Carlsen. Parece fácil torcer pelo favorito, mas ficou evidente neste match que as coisas não foram fáceis para o jovem campeão. Nas partidas clássicas, Carlsen não apresentou o seu melhor xadrez, por outro lado, Karjakin, o desafiante, mostrou-se preparado para o confronto. Ele inclusive havia dito que "Se Carlsen quiser continuar campeão do mundo, terá que jogar no melhor nível de sua vida". Bem, não foi preciso, Carlsen deixou passar alguns bons lances e com certeza não foram suas melhores performances, mas, ficou evidente que Karjakin não teria condições de derrotá-lo, tendo em vista que poderia ter arriscado mais, optou pela defensiva, o que deu certo nas clássicas, mas nas rápidas Carlsen deu as cartas! 

Na segunda partida do desempate Carlsen deixou a vitória escorrer pelo dedos, há méritos na defesa de Karjakin, mas o campeão acabou se complicando nos arremates e perdeu uma ótima chance de conquistar a primeira vitória. 

Na terceira partida, Carlsen mais uma vez fez uso da Giuoco Piano (Partida Italiana) e conseguiu seu o ponto. 

A quarta e decisiva partida, Carlsen de brancas jogava pelo empate, a pressão estava agora com o desafiante. 1. e4 e c5!! A primeira semiaberta do match! Karjakin precisava arriscar e optou pela Siciliana, mas Carlsen fugiu das linhas mais tradicionais e jogou 5. f3...Seria uma partida normal? Definitivamente não! O lance 50. Dh6+ foi brilhante, fez valer o ingresso! Um belíssimo arremate que garantiu o título mundial pela terceira vez.

Acompanhe a partida que decidiu o mundial. 


Carlsen poderá ser maior do que Fischer e Kasparov? Especialistas dizem que sim! Eu aposto nisso, creio que está no Top 3 dos maiores da história. Posso estar errado, e meu conceito não tem intenção de polemizar, mas me parece que nos jogos de  Fischer e Kasparov a superioridade deles ficava mais evidente. Em algumas partidas que Carlsen empatou, Fischer jogaria "a la muerte"! Kasparov também.

Uma coisa é certa, não há dúvidas de que Carlsen tem sido o melhor nos últimos anos e seguirá sendo. Se vai conseguir o "título" de melhor da história, só o tempo dirá, na minha modesta opinião, este título ainda é de Kasparov e sua genialidade! 

terça-feira, novembro 29, 2016

FORÇA CHAPE!

A UNIÃO ESPORTIVA XADREZ PIRAÍ E O CLUBE DE XADREZ PROFESSOR HÉLIO SALDANHA SÃO SOLIDÁRIOS AOS FAMILIARES DA CHAPE E DOS MEMBROS DA IMPRENSA PELA TRAGÉDIA OCORRIDA NESTA DATA. 

É impossível dimensionar a tristeza que paira hoje sobre o nosso esporte brasileiro. Nós que tanto amamos o esporte, choramos por tantas alegrias, e hoje, nosso pranto é de extrema tristeza pelo ocorrido. 
Que todas as vítimas deste acidente descansem em paz e que seus familiares aceitem nossas mais sinceras condolências. 

Família Xadrez Piraí está junto com vocês!